Uruguai e Coreia do Sul decepcionam e empatam em 0 a 0 na Copa do Mundo

Uruguai e Coreia do Sul decepcionam e empatam em 0 a 0 na Copa do Mundo

Updated: 5 days, 12 hours, 30 minutes, 10 seconds ago

publicidade

Com emoção ou sem emoção? Sem emoção. Foi desta forma a estreia do Uruguai na Copa do Mundo do Catar diante da Coreia do Sul. Na abertura do grupo H, as duas seleções empataram em 0 a 0 no estádio Education City. O confronto foi marcado pela falta de criatividade e pela supremacia das defesas. Suárez, Darwin Nuñez, Cavani e Son, os artilheiros que estiveram em campo hoje, passaram em branco na primeira rodada da chave. A Celeste até teve duas bolas na trave, mas não conseguiu balançar as redes. 

Após o empate de hoje, Uruguai e Coreia do Sul voltam a entrar em campo somente na segunda-feira. A Celeste vai encarar Portugal a partir das 16h, no estádio Lusail, enquanto os sul-coreanos irão enfrentar Gana, às 10h, no Education City. 

Muita luta e pouca qualidade 

O grupo H da Copa do Mundo abriu as suas disputas com Uruguai e Coreia do Sul. Montada no 4-3-3, a equipe de Paulo Bento começou o jogo no Education City a todo vapor. Com muita vontade, a formação asiática cercou quase todos os espaços da seleção uruguaia e conseguiu fazer pressão nos primeiros minutos do primeiro tempo. 

Posicionada de forma mais ofensiva, a Coreia do Sul marcava alto e evitava as escapadas do Uruguai com Suárez e Darwin Nuñez. Son, como sempre, era o expoente técnico da Coreia e coordenava a maioria das jogadas. Ele ganhou a companhia de Sang-Ho, que usava a velocidade para superar a defesa uruguaia. 

A partir dos 20 minutos, o Uruguai entrou no jogo. Muito pela imposição física, o time de Diego Alonso começou a encontrar os espaços e se aproveitar da marcação alta da Coreia. Em uma dessas escapadas, aos 21 minutos, Suárez apareceu como um ponta direita e cruzou rasteiro. Darwin Nuñez entrou na corrida e tentou o chute mas furou em bola, desperdiçando uma boa chance para o time sul-americano. 

A Celeste se entusiasmou no jogo e abandonou a postura dos primeiros 15 minutos, quando ficou apenas assistindo a Coreia jogar. Apesar disso, os sul-coreanos chegaram forte aos 33 minutos. Sang-Ho fez boa jogada pela direita e cruzou. Dentro da área, livre, Ui-Jo bateu de primeira, mas o chute saiu alto e encobriu o gol de Rochet.  

A falta de criatividade da seleção uruguaia ficava cada vez mais flagrante com o passar dos minutos e denunciava a ausência de quem poderia resolver este problema: De Arrascaeta. Destaque do Flamengo, o meia foi preterido por Diego Alonso e começou o jogo na reserva. 

Se não dava pelo chão, a bola aérea parecia uma boa alternativa. Aos 43 minutos, o Uruguai teve a primeira grande chance do jogo. Após escanteio, Godín subiu mais que a defesa adversária e colocou a bola na trave. Ela ainda percorreu a linha da pequena na área, mas nenhum pé uruguaio surgiu para aproveitar o lance. E assim o primeiro tempo chegou ao final, com as duas equipes ainda tentando encontrar o melhor caminho para o gol. 

Pouco futebol na etapa final 

As duas seleções voltaram para o segundo tempo sem alterações e o jogo seguiu o mesmo panorama da etapa inicial. Os primeiros minutos foram de supremacia das defesas, com os dois ataques ainda muito isolados. O Uruguai seguia com problemas de criatividade no meio-campo, ainda que tivesse Valverde coordenando as ações. No lado coreano, Son e Sang-Ho até buscavam o campo de ataque, mas eram parados com facilidade. 

A exemplo do primeiro tempo, a Coreia do Sul continuava a apostar na marcação alta para dificultar a saída de bola do Uruguai. Cáceres, Godín e Gímenez viveram alguns momentos de aperto e eram obrigados a recuar para Rochet dar o "balão". Uma rara escapa no ataque uruguaio aconteceu aos 18 minutos. Darwin Nuñez foi lançado na esquerda e partiu para cima da marcação. Ele buscou o cruzamento para Suárez, mas o goleiro Keum se antecipou ao lance e de um tapa, o suficiente para a zaga sul-coreana contornar a situação de perigo. 

Aos 19 minutos, Diego Alonso decidiu mexer no Uruguai. O problema é que decidiu por apenas mudar nomes e não aumentar o poderio ofensivo. Suárez, de atuação apagada, saiu para a entrada de Edinson Cavani. Minutos depois, ao ver que a alteração não surtiu efeito, optou por fazer mais duas: De La Cruz e Viña entraram nas vagas de Vecino e Mathias Olivera, respectivamente. 

Bem perto do fim do tempo regulamentar, aos 44 minutos, um lampejo de qualidade apareceu no Education City. Federico Valverde, volante do Real Madrid, chamou para si a responsabilidade e resolveu arriscar de fora da área. Chute potente surpreendeu o goleiro Keum e viu a bola bater na trave. E este foi o único grande lance do segundo tempo e o ato final de um confronto calcado pela pobreza técnica.   

Veja Também

Copa do Mundo 2022 - Grupo H

Uruguai 
Rochet; Cáceres, Godín, José Gímenez e Mathías Olivera; Vecino; Betancur e Valverde; Pelistri, Suárez e Darwin Nuñez. Técnico: Diego Alonso. 

Coreia do Sul 
Kim Seung-Gyu; Kim Moon-Hwan, Kim Young-Gwon, Kim Min-Jae e Kim Jin-Su; Jung Woo-Young, Hwang In-Beom e Lee Jae-Sung; Son Heung-Min, Hwang Ui-Jo e Na Sang-Ho. Técnico: Paulo Bento. 

Árbitro: Clément Turpin. 
Assistente: Nicolas Danos 
Assistente: Cyril Gringore
Local: Education City