União Brasil ingressa na transição de Lula. E agora, Sergio Moro?

União Brasil ingressa na transição de Lula. E agora, Sergio Moro?

Updated: 2 months, 3 days, 13 minutes, 11 seconds ago

O que o senador eleito Sergio Moro (União) vai dizer em Curitiba, sua principal base eleitoral? O seu partido, União Brasil, ingressou de mala e cuia nesta quarta (07/12) na transição do governo Lula.

Durante a campanha eleitoral, Moro jurava na propaganda televisiva que jamais estaria junto com Lula…

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) nomeou o prefeito Waguinho, de Belford Roxo (RJ), do União Brasil, para equipe de transição.

Durante o segundo turno da campanha eleitoral para a presidência da República Lula participou de carreatas ao lado de Waguinho e da deputada federal Daniela do Waguinho (União).

Waguinho comemora, Moro nada comentou.

O União Brasil, presidido por Luciano Bivar, não descarta participar do governo Lula ocupando um vistoso ministério.

Há um mês, em discurso na Assembleia Legislativa do Paraná, Sergio Moro disse que ele pretendia “facilitar” o entendimento entre o governo Ratinho Junior (PSD) com o governo Lula (PT).

Apoio a Lula

O prefeito de Belford Roxo, Wagner dos Santos Carneiro, o Waguinho, foi o único da Baixada Fluminense que declarou apoio a eleição do presidente Lula, que foi escolhido nas urnas com mais de 60 milhões de votos. Como reconhecimento do trabalho feito, Lula convidou Waguinho para fazer parte da equipe de transição, comandada pelo vice-presidente, Geraldo Alckmin.

Nos dois primeiros governos do presidente Lula (2003-2006 e 2007-2010) e da presidenta Dilma Rousseff, o Ministério das Cidades apresentava como suas principais atribuições a elaboração de políticas pública de desenvolvimento urbano, habitação, trânsito e de transporte urbano, além de promover ações nas áreas de urbanização e de saneamento básico e ambiental.

Feliz com o convite para integrar a equipe de Transição, Waguinho destacou que acreditou nas propostas de Lula e enfrentou muitas resistências quando declarou seu apoio ao petista. “Muitas pessoas me perseguiram, mas eu tinha minhas convicções e fui para as ruas com a deputada federal Daniela do Waguinho e nosso grupo político pedir votos para o presidente Lula, pois não podíamos colocar a democracia em risco. Como diz o linguajar popular, botamos a cara.

Agradeço ao presidente Lula por ter nos escolhido e, humildemente, irei acompanhar tudo de perto, dando opiniões e levando a minha experiência de dois mandatos como deputado estadual e de seis anos como prefeito de uma cidade com mais de 600 mil habitantes”, destacou Waguinho, não esquecendo de agradecer o apoio do deputado e presidente da Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro, André Ceciliano, que fez a “ponte” para as primeiras conversas de Waguinho e Daniela com Lula.

Um novo tempo

Waguinho destaca ainda que, além do apoio de André Ceciliano para a aliança com Lula, foram fundamentais para que as conversas avançassem a presidente nacional do PT, Gleise Hoffmann; o presidente estadual do partido, João Maurício, o Joãozinho; o prefeito de Maricá, Fabiano Horta e o ex-prefeito de Maricá e deputado federal eleito, Washington Quaquá.

O prefeito de Belford Roxo enfatizou que o Brasil irá viver um novo tempo, respirando ares da democracia que, segundo ele, foi arranhada nos últimos quatro anos.

“Conseguiram dividir o país com uma fábrica de fake News e o Brasil parou. Agora é hora de tralharmos para que tudo volte à normalidade. Tenho certeza que com o presidente Lula o país voltará a crescer e o Estado do Rio de Janeiro e Belford Roxo voltarão a ter investimentos do Governo Federal. O povo não quer saber de brigas, quer é mais saúde, educação, obras e uma economia que propicie mais geração de empregos para que as pessoas possam colocar comida em casa e viver com dignidade. E isso irá acontecer”, finalizou Waguinho.

LEIA TAMBÉM