Tréguas na Ucrânia podem significar uma vitória para Putin. Eis porquê

Tréguas na Ucrânia podem significar uma vitória para Putin. Eis porquê

Updated: 4 days, 21 hours, 5 minutes, 25 seconds ago

Há 29 min

ANÁLISE. Nota do editor: David A. Andelman, colaborador da CNN, duas vezes vencedor do Deadline Club Award, é cavaleiro da Legião de Honra francesa, autor de “A Red Line in the Sand: Diplomacy, Strategy, and the History of Wars That Might Still Happen” e de blogues na Andelman Unleashed. Anteriormente foi correspondente do “The New York Times” e da CBS News na Europa e Ásia. As opiniões expressas nesta análise são dele.

Uma trégua agora na guerra na Ucrânia significaria essencialmente a vitória para o Presidente russo Vladimir Putin.

Nove meses volvidos, as esperanças russas de uma rápida conquista foram totalmente deitadas por terra, com o seu exército em grande parte na defensiva ao longo de mais de mil quilómetros de linhas de batalha espalhados pelos limites leste e sul da Ucrânia.

Com efeito, uma trégua ou negociações podem ser o único caminho para a vitória possível neste momento para o líder russo; estando a mão-de-obra esgotada e o fornecimento de armas a diminuir.

Ao mesmo tempo, há uma vontade decrescente do Ocidente que pode revelar-se igualmente tóxica para a Ucrânia – e com a qual Putin está quase de certeza a contar.

“A única coisa que uma trégua prematura faz é permitir que ambas as partes se armem novamente”, disse-me em entrevista Michael Kofman, diretor de estudos russos do CNA e um dos principais especialistas em militares russos.

“E como a Rússia é a mais desfavorecida agora, vai beneficiar mais a Rússia e depois renovar a guerra. Então tudo o que uma trégua nos vale é uma continuação da guerra. Não resolveria nenhuma das questões subjacentes à guerra”, acrescentou.

Já a Rússia está a começar a armar-se novamente, dizem os especialistas. “Disponibilidade de munições” foi um dos “aspetos mais determinantes desta guerra”, disse Kofman. “Se esgotarmos 9 milhões de balas, não é possível fabricá-las num mês. Portanto, a questão é: qual é a taxa de produção de munições e o que pode ser mobilizado?”, acrescentou.

Kofman citou informações disponíveis que mostram que o fabrico de munições – que tem sido o mais usado nos intercâmbios até agora ao longo das linhas da frente ucranianas – passou de dois e, em algumas fábricas para três, turnos por dia na Rússia. Isto sugere que “eles têm os componentes, caso contrário, não fariam turnos duplos e triplos”, disse.

No entanto, uma trégua e negociações são o que alguns altos funcionários americanos e ocidentais parecem ansiosos, ou pelo menos preparados, para pressionar neste momento.

“Quando há uma oportunidade de negociar, quando a paz pode ser alcançada, é de aproveitar. Aproveitar o momento”, disse recentemente o General Mark Milley, chefe de Estado-Maior dos EUA.

Mas o Presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, não acredita. “Não permitiremos que a Rússia espere e reforce as suas forças”, disse na reunião do G-20 em Bali, no início deste mês.

À medida que os ucranianos se preparam para um inverno brutal de ataques russos a infraestruturas de energia críticas, não admira que desconfiem de lutas diplomáticas.

“Imaginem como os ucranianos entendem as negociações”, disse na segunda-feira o ex-presidente ucraniano Petro Poroshenko ao Conselho de Relações Exteriores. “Estás sentado na tua própria casa, o assassino vem a tua casa e mata a tua mulher, viola a tua filha, chega ao segundo andar, depois abre a porta para o segundo andar e diz: ‘Ok, vem cá. Vamos fazer uma negociação.’ Qual seria a vossa reação?”

A realidade é que há pouco valor real em qualquer trégua, ligada ou não a negociações. Uma trégua dá à Rússia, cada vez mais entre a espada e a parede militarmente, espaço de respiração vitalmente necessário.

“Além de dar tempo aos russos para se reagruparem e rearmarem, o importante é que, neste momento, aliviaria a pressão sobre as suas forças”, disse-me numa troca de e-mails o general Mick Ryan, membro do Centro de Estudos Estratégicos e Internacionais. “Eles têm atacado fortemente durante nove meses. As suas forças estão esgotadas.”

Este sentimento foi expresso no mês passado por Jeremy Fleming, chefe da agência de espionagem electrónica ultrassecreta britânica GCHQ. “Sabemos - e os comandantes russos no terreno sabem - que os seus mantimentos e munições estão a esgotar-se”, disse Fleming.

As coisas para os russos não melhoraram desde então. Na segunda-feira, o Ministério da Defesa britânico, que fornece algumas das informações mais atualizadas e precisas sobre os militares russos na Ucrânia, informou que “a capacidade defensiva e ofensiva russa continua a ser dificultada por graves faltas de munições e pessoal qualificado”.

E o jornal francês “Le Monde” realizou uma grande análise com imagens de vídeo e satélite no terreno que mostram que “as reservas de armas e munições da Rússia foram severamente afetadas por ataques direcionados à Ucrânia”.

As imagens mostravam que “no total, pelo menos 52 depósitos de munições russas foram atingidos pelos militares ucranianos desde o final de março de 2022”. É uma boa parte dos 100 a 200 depósitos russos que os analistas acreditam estar na frente ucraniana, de acordo com o relatório.

O problema é que os russos descobriram em grande parte esta ameaça. “Os russos aparentemente adaptaram-se à presença de HIMARs [artilharia fornecida pelos EUA] no campo de batalha, deslocando os seus grandes depósitos de munições para fora de alcance”, disse-me Chris Dougherty, um alto funcionário do Programa de Defesa e chefe-adjunto do Laboratório de Jogos do Centro de Nova Segurança Americana, em Washington, numa entrevista.

É “basicamente qualquer grande posto de comando ou depósito de munições que deslocaram para lá da faixa dos 80 quilómetros”, explicou. E, em muitos casos, apenas dentro do território russo – que a Ucrânia garantiu a Washington que não iria visar com sistemas de foguetes fornecidos pelos EUA.

Artigo Relacionado: Opinião: Fui uma das primeiras pessoas no local do acidente MH17. Isto é o que eu vi
Dougherty e muitos outros especialistas, no entanto, acreditam que com ou sem tréguas, o Ocidente precisa de aumentar as capacidades ucranianas.

“Caso contrário, a Rússia vai esperar”, disse Dougherty. Agora, depois de terem sido empurrados para trás na ofensiva de outono da Ucrânia, “eles têm uma frente menor” para defender.

E, acrescentou, os russos estão “dispostos a negociar soldados mobilizados e cartuchos de artilharia”. Os russos esperam que “com o tempo, a NATO e os aliados ocidentais e ucranianos não estejam dispostos a continuar a fazer essas trocas. E, eventualmente, vai forçá-los a negociar. Isso, acredito plenamente, é a aposta de Putin”, disse Dougherty.

Dito isto, a história mostra que qualquer tipo de tréguas com Putin fora das negociações revelar-se-ia insignificante. Como Poroshenko observou: “Segundo a minha experiência pessoal de contacto com Putin: ponto número um, por favor, não confiem em Putin.” Muito menos adere a qualquer acordo se não se adequar ao seu objetivo final de assumir o controlo da Ucrânia.

A realidade é que os EUA e a aliança ocidental devem pensar no futuro tanto quanto Putin e aqueles no Kremlin que o podem suceder. A questão-chave aqui é: quanto tempo o compromisso com a luta vai persistir?

O pensamento dos russos, observa Dougherty, é: “Podemos estabilizar a frente e vamos esperar os ucranianos. Vamos esperar fora da NATO, vamos esperar os Estados Unidos.”

Mas, a dada altura, também se cansarão desta guerra, acrescentou. E a mentalidade russa pode passar a ser “podemos não ter tudo o que queríamos. Mas teremos uma grande parte do Donbass e anexaremos isso à Rússia e vamos manter a Crimeia. E acho que é a aposta deles neste momento.”

Ao mesmo tempo, uma trégua também permitiria ao Ocidente reconstruir arsenais em desgaste rápido que foram drenados por material enviado para a Ucrânia, até mesmo melhorar o que foi fornecido.

Mas se a guerra retomar daqui a meses ou anos, há uma verdadeira questão de saber se os EUA e os seus aliados estariam dispostos a voltar a um conflito que muitos começam a desejar já ter acabado.