The Voice Brasil: Segunda noite de Audições às Cegas tem mais 12 participantes aprovados

The Voice Brasil: Segunda noite de Audições às Cegas tem mais 12 participantes aprovados

Updated: 18 days, 21 hours, 40 minutes, 22 seconds ago
Fátima Bernardes

A segunda noite do ‘The Voice Brasil‘ pegou fogo e mais 12 participantes foram aprovados nas Audições às Cegas do reality show musical da TV Globo. Sendo assim, os 12 cantores foram divididos entre os times de Gaby Amarantos, IZA, Lulu Santos e Michel Teló, na noite desta última quinta (17).

- Continua após o anúncio -

Dessa forma, confira abaixo detalhes de cada um desses participantes, que conquistaram o coração de milhares de brasileiros e de seus respectivos técnicos.

Keilla Júnia – 18 anos | Matozinhos – MG
Com muita facilidade com instrumentos, a mineira de Matozinhos toca violoncelo, teclado, violão, ukulelê, contrabaixo, bateria e guitarra – aprendeu sozinha a tocar os dois últimos. Encara a música como profissão e hobby, pois a faz relaxar mesmo sendo um meio de trabalho. Começou a cantar aos dois anos, na casa de uma tia; aos três apresentou-se na igreja, e aos 11, entrou para a Orquestra Jovem da cidade, sonhando em tocar violino – mas aprendeu o violoncelo e fez canto coral. Fez inúmeras apresentações e viagens com o grupo. Trabalha em eventos com banda, cantando música gospel, MPB, sertanejo e internacional. Nunca pensou em desistir da carreira. Sempre apoiada pela família, o que mais a estimula é Deus e o dom que recebeu. No palco do ‘The Voice’, Keilla fez todos os técnicos se emocionarem e virarem a cadeira ao som de “Rise Up”, música conhecida na voz de Andra Day. Na hora de escolher, a jovem ficou com o Time Teló.

Bell Lins – 22 anos | Brasília – DF
Vivendo exclusivamente da música, a cantora que hoje se apresenta em casamentos e eventos começou a se apresentar bem pequena, aos seis anos, inspirada pelo pai que era cantor de rap gospel. Chegou até a fase das Batalhas na primeira temporada do ‘The Voice Kids’ e acredita que essa foi uma experiência ótima, mas que passou rápido. Deseja viver novamente toda a emoção e poder mostrar uma Bell Lins mais madura. Com o programa, ganhou muita visibilidade e chegou a fazer shows para seis mil pessoas, participou de um bloco de Carnaval de Ivete Sangalo e recebeu um convite para gravar um CD. Na pandemia, descobriu-se compositora e está se preparando para finalmente gravar um álbum. Acredita que a nova experiência no ‘The Voice’ será transformadora. Nas Audições, Bell cantou “Flamingos”, de Baco Exu do Blues. Com direito a escolher qualquer um dos técnicos, ela decidiu pelo Time IZA.

- Continua após o anúncio -

Brena Marinho – 30 anos | Cachoeiras de Macacu – RJ
Professora de Biodança, uma prática voltada para a música, Brena dá aulas tanto para quem tem interesse em aprender técnicas de canto quanto para quem busca ajuda com algum problema pessoal. Começou a fazer aulas de canto e a participar de corais quando a irmã mais velha, que precisava de alguém para acompanhá-la, aprendia a tocar violão. Durante a adolescência, teve a chance de participar de um festival na Suécia com o grupo vocal Talum, do qual participou por quatro anos, e lá percebeu o reconhecimento da música brasileira fora do país. Antes da pandemia, fez parte de uma banda de R&B. Sempre cantou MPB e trabalhou muito com improvisação vocal, além de gostar de Blues. O desejo de participar do ‘The Voice’ veio pelo fato de se sentir madura e por acreditar que a aparição vai fazer bem para a carreira. No palco do reality, Brena cantou “Menino das Laranjas”, canção de Elis Regina, e entre Gaby e Teló, seguiu na competição com a técnica.

Kacá Novais – 35 anos | Mogi das Cruzes – SP
Dividindo-se entre a vida na cidade e a fazenda que o pai deixou para a família, Kacá trabalha com música, de onde tira a maior parte de seu sustento. A paixão pela música vem de muito cedo. Aos três anos, foi encontrado pela mãe em uma loja de instrumentos musicais encantado com um pianinho, que acabou ganhando após a cena se repetir em vários passeios. Fez aulas de piano, aprendeu a tocar violão e, com 14 anos, começou sua carreira artística fazendo voz e violão em barzinhos. Em 2016, tornou-se artista de rua, e com isso recebeu convites para eventos corporativos, programas de TV e para abrir shows de nomes como Anitta e Zeca Baleiro. Também teve a oportunidade de se apresentar com Jair Oliveira. Acredita que o ‘The Voice Brasil’ pode ser a grande virada artística que busca na vida. A apresentação de Kaká animou a disputa e fez todos os técnicos o desejarem em seus times, embora IZA tenha sido bloqueada por Michel Teló na ocasião. Depois de uma interpretação de “Anima”, canção de Milton Nascimento e Zé Renato, o artista foi para o Time Lulu.

- Continua após o anúncio -

Duda e Isa Amorim – 19 e 17 anos | Timóteo – MG
Duda toca teclado, ukulelê, violão e cavaquinho. Sua irmã, Isa, sabe um pouco de violino e diz que sertanejo combina com o chapéu que costuma usar. Seu pai foi segunda voz de uma dupla sertaneja e incentivava muito as filhas, que fizeram aula de canto por cinco anos. O primeiro evento da dupla foi o casamento de uma amiga da mãe, e desde então não pararam mais. Hoje, fazem apresentações em eventos da cidade. Já gravaram um EP e são voluntárias na APAE da região, fazendo backing vocal de uma banda, além de cantarem na apresentação do show anual da instituição em que sua mãe trabalha. Já foram notadas pelas cantoras Simone e Simaria ao cantarem “Pá Pum”, e rapidamente ganharam milhares de seguidores nas redes sociais. No ‘The Voice Brasil’, Duda e Isa interpretaram um clássico do sertanejo, “Nuvem de Lágrimas”, e viraram três cadeiras, escolhendo, então, o Time Teló.

Nath Audizio – 23 anos | Rio de Janeiro – RJ
Apesar de nascida em uma família musical, com mãe e tias que cantam por hobby e um tio multi-instrumentista, Nath sempre ouviu que ser cantora não lhe daria meios de sobreviver. Cursou Veterinária, mas acabou trancando a faculdade para se dedicar às aulas de canto e violão, além de compor músicas, quatro delas lançadas em plataformas digitais. Apresenta-se em alguns restaurantes fixos e aos finais de semana faz shows em eventos fechados cantando pop, R&B nacional e internacional, black music e MPB. Conta que tudo o que tem na vida conquistou a partir de muita luta, e hoje junta dinheiro para cursar Teatro e futuramente participar de musicais. Para ela, participar do ‘The Voice Brasil’ é a grande chance que tem de fazer dar certo todo seu esforço em realizar o sonho de ser uma artista. “Killing Me Softly With His Song”, de Charlie Fox e Norman Gimbel, foi a escolha que conquistou a todos nas Audições às Cegas. A carioca elegeu o Time Lulu para seguir na competição.

Analu – 22 anos | Araxá – MG
Filha de um músico e produtor musical, por sua influência Analu começou a cantar aos três anos. Na infância, apresentou-se em um programa de TV e na adolescência passou a postar vídeos nas redes sociais. Após gravar a sua primeira música autoral e a fazer shows em bares, passou a refletir sobre o que realmente queria para a vida e trancou a faculdade de Pedagogia. Hoje, cantando em barzinhos no Rio de Janeiro e em São Paulo, gosta de dar a própria cara a músicas de estilos variados. Apesar de já ter subido ao palco ‘The Voice Brasil’ e ter virado as quatro cadeiras, Analu diz que a ansiedade é a mesma. À época, 2020, não pôde continuar no programa por ter contraído Covid-19, mas sua breve participação acabou abrindo portas e dando estímulo à carreira. Desta vez, Analu fez uma versão especial do hit “Dengo”, de João Gomes, conquistando todos os técnicos. Nesta temporada, a mineira decidiu competir pelo Time Gaby.

Bruno Galvão – 44 anos | Rio de Janeiro – RJ
A música veio como herança. Nasceu em uma família totalmente musical: o pai e os tios são integrantes de grupo “Golden Boys”; antigamente o “Trio Esperança” foi formado por suas tias e por seu pai. Mais tarde, os primos mais velhos criaram o grupo “Os Abelhudos”. Além de cantor e músico, Bruno é produtor musical e diretor. Tem um programa de rádio desde 2014 e já esteve no ar em diversas estações. É piloto profissional de kart e faz curso de piloto de avião. Criou o projeto ‘Mansão Popular Brasileira’, em que se juntou com mais alguns jovens artistas que moraram juntos por algum tempo, com o único objetivo de compor e produzir novas músicas. O projeto virou uma web serie e um documentário dirigido pelo próprio. Já teve muitos amigos que participaram do ‘The Voice Brasil’ e acredita que chegou sua vez de se divertir e viver a experiência de cantar no palco. Nas audições, Bruno apresentou “Casaco Marrom (Bye, Bye Ceci)”, de autoria de Danilo Caymmi, Guarabyra e Renato Correa, e foi para o Time Lulu.

Evelyn Lima – 32 anos | Duque de Caxias – RJ
Incentivada pelo pai, que sempre cantou e tocou violão, Evelyn já cantava aos quatro anos de idade, pedindo para se apresentar sempre que via um microfone. Entrou para o coral da igreja na adolescência, quando fez uma amiga que trabalhava na noite e a convidou para montar um repertório. Em uma situação casual, esteve em um bar com as amigas, onde se apresentou e conheceu seu primeiro parceiro musical, com quem trabalhou por sete anos em eventos corporativos, festas e casamentos. Trabalhou na noite e conciliou outros trabalhos com a música até que, em 2019, abriu sua empresa voltada para casamentos. A música é seu sustento há 10 anos. No ‘The Voice Brasil’, Evelyn cantou “Neither One Of Us (Wants To Be The First To Say Goodbye)”, de Jim Weatherly. Ela virou todas as cadeiras e se decidiu pelo Time IZA.

Emmily Pires – 21 anos | Aparecida – PB
Aos 16 anos começou a cantar na igreja e, pouco tempo depois, já se apresentava em bares cantando sertanejo. Mesmo inspirada e apoiada pelo pai, que dizia o quanto sua voz era boa para o canto, ela demorou para acreditar na música. Fez faculdade de Odontologia, que trancou no 6º período para se dedicar às artes. Há dois anos começou a trabalhar no circo; em seu número, entra no palco cantando e segue para acrobacias aéreas. Durante a semana, fica alojada atrás do picadeiro, em um trailer. Nas viagens com a trupe para cidades vizinhas, por vezes é contratada para shows com o parceiro de violão do circo, onde canta sucessos e músicas autorais. Em 2020, lançou nas plataformas digitais seu primeiro EP com seis músicas inéditas em parceria com outros compositores. No ‘The Voice Brasil’, Emmily interpretou “Vida Vazia”, canção de Bruno e Marrone, virando as cadeiras de IZA e Gaby. A técnica carioca foi a escolha da cantora para seguir na disputa.

Adriana Bosaipo – 34 anos | São Luís – MA
Integrante de um grupo de dança folclórica, é formada em Direito, tendo inclusive trabalhado na área. Sua formação, porém, não a fazia se sentir preenchida. Começou mais tarde do que gostaria na música, mas acredita que seu caminho foi mais rápido. Apaixonada pela arte e pela cultura do país, sempre soube que a música faria parte de sua vida, mesmo antes de a entender como sua profissão. Depois de conhecer o noivo, pianista, os dois passaram a se apresentar juntos na noite, e essa experiência a deixou mais segura para se inscrever no ‘The Voice Brasil’. Acredita que a melhor forma de lidar com o seu talento é mostrando-o ao mundo. Vê o reality como um palco de aprendizado e esperança, e a realização de seu sonho. “Canto das Três Raças”, de Clara Nunes, foi a música que a levou para o Time Gaby.

Déborah Castolline – 26 anos | Porto Velho – RO
Cantora profissional e professora de canto, orgulha-se de poder se sustentar pela música. Apaixonada pelas artes, costumava ganhar CDs de sua mãe. Habituada com a música gospel em casa, ainda na infância começou a cantar na igreja. Estudou música, aprendeu partitura, ritmo, canto, a tocar bombardino, piano, coral e acabou se formando em canto popular. Participou do coral da escola de música por três anos. Cantou na orquestra e se apresentava com o coral cênico da escola com artistas conhecidos, como Chico César e Marcelo Jeneci. Também é compositora e, em 2018, teve oportunidade de apresentar um show autoral. Sempre foi incentivada a participar do ‘The Voice Brasil’ e neste momento da vida resolveu aceitar o desafio de viver a experiência. Déborah cantou “You Don’t Do It For Me Anymore”, single de Demi Lovato, e pôde escolher entre os quatro técnicos, optando pelo Time Teló – para a surpresa e felicidade do técnico.

Veja como estão os times no momento:

Time Gaby
Mila Santana, Marina Rosa, Brena Marinho, Analu e Adriana Bosaipo.

Time IZA
Dgê, Val Andrade, Bete de Castro, Bell Lins, Evelyn Lima e Emmily Pires.

Time Lulu
Mel Fernandes, Gisele de Santi, Kacá Novais, Nath Audizio e Bruno Galvão.

Time Teló
Neto & Felipe, Makem, Camila Malkov, Keilla Júnia, Duda e Isa Amorim e Déborah Castolline.

- Continua após o anúncio -