Se sentindo 'perseguidos', bolsonaristas protestam contra a 'censura' em BH

Se sentindo 'perseguidos', bolsonaristas protestam contra a 'censura' em BH

Updated: 1 month, 15 days, 3 hours, 58 minutes, 15 seconds ago
Apoiadores de Bolsonaro, de verde e amarelo, com cruzes pretas levantadas para cima

Apoiadores de Jair Bolsonaro levantam cruzes pretas, em luto, pela "liberdade de expressão"

(foto: Jair Amaral/EM/DA Press)

Segurando cruzes na cor preta, apoiadores de Jair Bolsonaro (PL) se reuniram, no domingo (23/10), na Praça da Bandeira para protestar contra a suposta “censura” que o atual presidente e seus apoiadores estão sofrendo pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e, também, pelo Supremo Tribunal Federal (STF). As cruzes simbolizam o “luto pela liberdade” e alguns presentes também se vestiram de preto para manifestar a sensação de “morte” da liberdade de expressão.

De acordo com a organizadora do evento, a advogada Camila Leite, o intuito do ato foi reforçar o direito da liberdade de se expressar como quiser e criticar as ações dos tribunais superiores, que, segundo a jurista, significam uma “relativização” do que é disposto na Constituição Federal.

 

LEIA MAIS 16:09 - 23/10/2022

Envolvido no Mensalão, Jefferson já foi cassado, condenado e preso 15:06 - 23/10/2022

'Atrase salário, demita professor', diz Hang em áudio de 2018 usado pelo PT 11:21 - 23/10/2022

Bolsonaro x Tebet: trocas de farpas, acusações e desprezo em falas duras

“Tive a ideia de reunir algumas pessoas na qualidade de cidadã e também na qualidade de advogada, porque eu estou perplexa com as recentes decisões do nosso Tribunal Superior Eleitoral. Liberdade para mim é um valor inegociável e a gente tem essas cláusulas pétreas. São direitos constitucionalmente preservados e o que a gente vê hoje é o TSE começando a relativizar isso e a criar exceções que fazem com que determinadas situações, como o direito de liberdade de expressão, não prevaleça e, na minha opinião, é um direito praticamente absoluto. Porque se alguém se incomodar, se houver alguma difamação, algum crime contra a honra naquela fala daquele cidadão, ela tem esse direito resguardado pelo nosso ordenamento e ela pode buscar a reparação. O que não dá é para censurar previamente antes da pessoa falar”, afirmou a advogada.

Leia mais: Bolsonaro ameaça frear Judiciário caso seja reeleito

Os participantes do protesto afirmaram que se sentem “perseguidos” pelo TSE por defenderem valores conservadores. Karina Coelho, que esteve na Praça da Bandeira protestando contra a censura, afirmou que a Justiça está cerceando a liberdade dos cristãos. 

 

Camila leite com uma blusa azul, do brasil, sorrindo e segurando a cruz para cima

Camila Leite, advogada e organizadora do evento na Praça da Bandeira

(foto: Jair Amaral/EM/DA Press)

“Eles já estão nos primeiros passos de regular a nossa liberdade. Isso é muito triste. É uma censura clara. E hoje, infelizmente, eles não se preocupam nem mais em fazer algo que seja discreto. Hoje, apoiou a direita, apoiou o país, eles censuram. Eles podem até querer, mas eles não vão acabar porque o povo cristão é muito maior. Tem mais volume no Brasil. O poder emana do povo”, disse Karina. 

Quem também afirmou que os Tribunais Superiores estão censurando os valores cristãos foi a Fabiana Britto, apoiadora do presidente Bolsonaro, que esteve no ato com o marido e a filha pequena. De acordo com Fabiana, a censura é tão “abrangente”, que chega na juventude dos dias atuais, já que, para ela, muitos jovens não "têm coragem de se assumirem conservadores”.

“Está muito claro que a candidatura do Bolsonaro e as pessoas que optaram por defender os valores conservadores, hoje, são perseguidos. Não existe respeito. Foram muitos anos de um governo de esquerda, um governo que não respeitou a família, haja visto, queria colocar dentro das escolas, a ideologia de gênero. Então eu acho que a candidatura dele tem sido perseguida sim e as pessoas que seguem as ideias conservadoras hoje, no Brasil, são perseguidas e isso fica muito claro quando a gente olha a juventude, porque o jovem tem vergonha de se posicionar como um conservador”, afirmou.

 

Manifestantes de verde e amarelo na Praça da Bandeira

Evento precisou ser transferido para a Praça da Bandeira de última hora, pois foi marcado na Praça da Liberdade, onde evento 'Mães com Lula' acontecia no mesmo horário

(foto: Jair Amaral/EM/DA Press)

 

Apesar dos participantes do evento bolsonarista alertarem para uma suposta “perseguição” sofrida por quem defende os valores conservadores e, também, o próprio presidente, a organizadora Camila Leite afirmou que não enxerga o momento atual por essa ótica. De acordo com a advogada, há “ânimos exaltados” dos dois lados e que é preciso lidar com os espectros políticos “sem paixão”.