Putin diz que ameaça de guerra nuclear 'está aumentando'

Putin diz que ameaça de guerra nuclear 'está aumentando'

Updated: 2 months, 3 days, 3 hours, 56 minutes, 7 seconds ago


No entanto, o mandatário ressaltou que o Kremlin considera esse tipo de armamento "apenas como defesa" para responder a um ataque do tipo, mas que seu governo "se defenderá com todos os meios à disposição".   

"Nós não enlouquecemos. Sabemos o que são as armas nucleares e temos esses meios em um estado mais desenvolvido e moderno do que qualquer outro país do mundo. Mas, não temos a intenção de agitar essas armas como se fossem uma navalha perante o mundo todo. Trata-se de um fator de dissuasão", afirmou aos presentes.   

Desde o início da invasão na Ucrânia, no fim de fevereiro, diversos aliados do presidente deram declarações colocando a "opção nuclear" no debate. No entanto, após essas falas, Putin sempre surgiu dizendo que não havia planos de usá-las no país vizinho.   

Sobre a guerra em si, o mandatário afirmou que "ela poderá ser um processo longo", mas que graças à "operação militar espacial, novos territórios apareceram e são um resultado significativo" para o país.   

"O Mar de Azov tornou-se um mar interno da Federação Russa e isso é uma coisa séria", acrescentou referindo-se as conquistas de cidades ao sul da Ucrânia.   

O líder do Kremlin ainda falou sobre a mobilização de soldados, dizendo que a metade dos 300 mil que entraram em alerta na Rússia foram para áreas da guerra e 77 mil estão em unidades de combate. Putin ainda descartou uma nova mobilização de novos recrutas. (ANSA).   

Veja mais notícias, fotos e vídeos em www.ansabrasil.com.br.

MOSCOU, 7 DEZ (ANSA) - O presidente da Rússia, Vladimir Putin, fez um discurso nesta quarta-feira (7) para o Conselho Nacional de Direitos Humanos e afirmou que os riscos do mundo ter uma guerra nuclear "estão aumentando".No entanto, o mandatário ressaltou que o Kremlin considera esse tipo de armamento "apenas como defesa" para responder a um ataque do tipo, mas que seu governo "se defenderá com todos os meios à disposição"."Nós não enlouquecemos. Sabemos o que são as armas nucleares e temos esses meios em um estado mais desenvolvido e moderno do que qualquer outro país do mundo. Mas, não temos a intenção de agitar essas armas como se fossem uma navalha perante o mundo todo. Trata-se de um fator de dissuasão", afirmou aos presentes.Desde o início da invasão na Ucrânia, no fim de fevereiro, diversos aliados do presidente deram declarações colocando a "opção nuclear" no debate. No entanto, após essas falas, Putin sempre surgiu dizendo que não havia planos de usá-las no país vizinho.Sobre a guerra em si, o mandatário afirmou que "ela poderá ser um processo longo", mas que graças à "operação militar espacial, novos territórios apareceram e são um resultado significativo" para o país."O Mar de Azov tornou-se um mar interno da Federação Russa e isso é uma coisa séria", acrescentou referindo-se as conquistas de cidades ao sul da Ucrânia.O líder do Kremlin ainda falou sobre a mobilização de soldados, dizendo que a metade dos 300 mil que entraram em alerta na Rússia foram para áreas da guerra e 77 mil estão em unidades de combate. Putin ainda descartou uma nova mobilização de novos recrutas. (ANSA).