Histórias da Copa do Mundo: Camarões surpreende o mundo durante edição da Copa (1990)

Histórias da Copa do Mundo: Camarões surpreende o mundo durante edição da Copa (1990)

Updated: 1 month, 10 hours, 30 minutes, 34 seconds ago

No panteão de grandes viradas da Copa do Mundo, a vitória de Camarões sobre a então campeã Argentina na Itália em 1990 talvez seja o evento mais atraente e milagroso do torneio.

Em 90 minutos de jogo no ensolarado Estádio San Siro em Milão, Camarões levou o futebol africano para um novo território cheio de percepção positiva e admiração generalizada.

François Omam-Biyik subiu tão alto para cabecear sobre Nery Pumpido aos 67 minutos que parecia que ele estava sendo transportado a bordo de uma nave em um passeio terrestre para coletar seres humanos capazes de executar feitos físicos surpreendentes. De fato, pensar que um time africano derrubaria a atual campeã mundial Argentina era uma ideia realmente estranha antes do feito do jogador de 24 anos.

A vitória de Camarões por 1 a 0 em 8 de junho de 1990 desencadearia uma aventura Africana na Copa do Mundo como nenhuma outra, onde um continente inteiro se uniu e uma geração foi inspirada, enquanto a celebração icônica de um certo atacante veterano geraria um milhão de imitações mais tarde. Mas para realmente apreciar a grandeza das conquistas de Camarões, temos que levar a história de volta às suas origens.

Preparativos confusos e o retorno de um aposentado

Quando a Argentina foi sorteada no mesmo grupo que Camarões em dezembro antes do torneio, o técnico argentino, Carlos Bilardo, disse: “A União Soviética é um adversário difícil, mas no geral estou satisfeito. Nosso grupo não é o mais fácil, mas não devemos ter problemas na classificação para a segunda fase.”

Tanto a Romênia quanto Camarões, em particular, nem eram considerados dignos de serem mencionados e, para ser justo com Bilardo, sua opinião se baseava em evidências bastante convincentes. Para ser franco, Camarões era uma bagunça.

Com chances de vencer o torneio de 0,2%, Camarões foi a própria definição de uma reflexão tardia. Eles estavam tão longe dos padrões exigidos que mal mereciam ser mencionados.

Roger Milla durante a copa do mundo de 1990, na Itália.

Em 1988, dois anos antes da Copa de 90, um técnico russo, Valeri Nepomniachi, foi enviado a Camarões a pedido da federação de futebol de sua terra natal, que atendeu ao pedido de ajuda do presidente do país africano, Paul Biya.

Nepoamniachi, cuja única experiência de gestão de primeira equipe, naquele momento, havia sido uma única temporada com uma equipe de terceiro escalão na Rússia, não falava uma palavra de francês, e tinha um domínio do inglês que era monossilábico na melhor das hipóteses. Seu período como técnico foi quase interrompido após as terríveis performances de Camarões na Copa das Nações Africanas, apenas alguns meses antes do início da Copa do Mundo.

Camarões defendia seu título na Argélia, no entanto, eles foram eliminados da competição na fase de grupos após duas derrotas em três jogos.

Após essa exibição desastrosa e com o otimismo desgastado, o técnico camaronês Nepoamniachi parecia completamente fora de si, embora uma ligação milagrosa para uma das ex-estrelas do país tenha sido a mais inspirada das jogadas.

Roger Milla tinha 38 anos e estava aposentado do futebol internacional há três anos quando concordou em voltar ao time. Milla, que jogava em um time chamado Saint-Pierroise em Reunião, no meio do Oceano Índico, respondeu imediatamente ao convite desesperado de Nepoamniachi, dizendo que ele estava “sempre pronto para ser chamado pelas cores do meu país”.

Milla, que foi membro da equipe de Camarões na Copa do Mundo de 1982 na Espanha e Jogador Africano do Ano em 1976, estava de volta. Porém, discussões entre a equipe atual e os dirigentes sobre bônus não pagos, campos de treinamento incompletos e falta de resultados antes da Copa, fizeram com que os preparativos para o torneio na Itália fossem quase catastróficos.

Milan e o primeiro jogo

Na preparação para a estreia de Camarões na Copa do Mundo, contra a Argentina, em San Siro, no dia 8 de junho, os preparativos deram mais uma reviravolta quando o goleiro titular Joseph-Antoine Bell lançou uma série de críticas a seus companheiros de equipe em uma entrevista ao jornal, dizendo que eles “não tinham chance de jogar contra a Argentina” e que Camarões “sairia na fase de grupos sem muita glória”.

Roger Milla joga contra a Argentina durante a copa do mundo de 1990

Como um dos jogadores mais estabelecidos da equipe, as palavras de Bell doeram e Nepomniachi teve pouca escolha a não ser tirá-lo do jogo de Camarões contra a Argentina, substituindo o goleiro por Thomas N'Kono – um goleiro que estava tão convencido de que seu papel no Copa do Mundo seria periférico que ele disse à esposa para ir às compras no dia do jogo da Argentina em vez de assistir.

N'Kono foi um substituto relutante, embora tenha sido persuadido a botar as luvas. Suas exibições subsequentes na Copa do Mundo de 1990 foram tão impressionantes que um garoto italiano da Toscana foi motivado a trocar o meio-campo pelo gol. “Foram N'Kono e suas defesas espetaculares que fizeram eu me apaixonar pela posição. Ele se tornou meu herói”, disse um certo Gianluigi Buffon muitos anos depois.

Com o herói acidental N'Kono, um goleiro de aparência nervosa, o veterano Roger Milla no banco de reservas e uma equipe de jogadores das divisões inferiores da França, Camarões entrou na briga contra uma equipe argentina fortemente escalada com estrelas das ligas da Itália, Espanha e França, e cujo capitão era Diego Maradona.

Observadores e torcedores esperavam que Camarões fosse uma presa fácil para a poderosa Argentina, no entanto, um desempenho fora de série alimentado por força de vontade, suor e habilidade permitiu que os Leões Indomáveis arrancassem pedaços da reputação dos sul-americanos.

Dizer que Camarões teve uma abordagem pesada com a Argentina seria um eufemismo – eles tiveram dois jogadores expulsos em San Siro com a expulsão tardia de Benjamin Massing por um ataque direto a Claudio Caniggia especialmente brutal – no entanto, atribuir seu sucesso apenas à força seria uma avaliação totalmente errada.

A influência de Diego Maradona foi prejudicada por uma série de faltas cínicas e Camarões desencadeou uma orquestra de destruição, enquanto a Argentina tentava levar a bola para o campo adversário. Mesmo assim, apenas cinco cartões foram mostrados para jogadores camaroneses pelo árbitro francês Michel Vautrot e Camarões criou tantas oportunidades de gol quanto seus adversários.

François Omam-Biyik subiu ao lado de Nery Pumpido para cabecear a bola e marcar o gol vencedor da partida logo após os 60 minutos de jogo. A Argentina ficou tão chocada que não conseguiu responder, tornou-se posicionalmente irregular e taticamente indisciplinada enquanto procurava em vão pelo empate, primeiro contra dez homens, depois contra nove.

As comemorações enfáticas dos camaroneses em campo e nas arquibancadas confirmaram que estávamos testemunhando algo especial, embora os Leões Indomáveis estivessem apenas começando.

Roger Milla viu apenas nove minutos de ação fora do banco em Milão, quando Nepomniachi convocou sua experiência para ajudar a terminar o jogo, embora o jogador de 38 anos estivesse prestes a ocupar o centro do palco.

Romênia, classificação e salsa no escanteio

Logo após a vitória de Camarões sobre a Argentina, o herói goleador François Omam-Biyik falou com paixão sobre o desempenho, dizendo: “Ninguém pensou que poderíamos fazer algo aqui contra Maradona, mas sabíamos o que podíamos fazer. Detestamos quando os repórteres europeus nos perguntam se comemos macacos e temos feiticeiros. Somos verdadeiros jogadores de futebol e provamos isso esta noite”.

Sua fala poderia ter sido diferente se ele tivesse sido entrevistado antes do começo do jogo, no entanto, suas palavras ajudaram a pontuar a enorme mudança na percepção que Camarões estava experimentando. Em vez de ser alvo de piadas, eles se tornaram a equipe favorita de todos e, além disso, carregavam a esperança – e agora expectativa – de mais de 20 milhões de pessoas de Yaoundé a Douala.

Seis dias após o feito contra a Argentina, Camarões enfrentou um perigoso time romeno no Stadio San Nicola, Bari na segunda rodada do Grupo B. Jules Onana e Emmanuel Maboang foram convocados para a escalação para substituir a dupla suspensa André Kana-Biyik e Benjamin Massing, embora ainda não houvesse lugar para Roger Milla.

Em outra disputa difícil, as margens de erro eram mínimas contra a Romênia antes de Milla ser chamado para substituir Emmanuel Maboang pouco antes de uma hora de confronto. E, menos de 20 minutos após sua entrada, o atacante estava comemorando.

Ganhando um cruzamento alto mirado frouxamente em sua direção, Milla colocou a bola em seu peito e marcou um gol contra o goleiro e capitão da Romênia Silviu Lung com o pé esquerdo. O atacante icônico correu para a bandeira de escanteio, colocou uma mão na barriga, jogou a outra para o céu e dançou alegremente em comemoração.

Milla voltou a marcar apenas dez minutos depois, quando marcou o segundo gol de um ângulo desfavorável. Seus dois gols excepcionais renderam a Camarões seu segundo triunfo em dois jogos e garantiram a vaga na fase eliminatória da Copa do Mundo pela primeira vez – um feito que o time não conseguiu repetir desde então.

“Sou um grande fã de Salsa” respondeu Milla quando questionado sobre seus passos comemorativos. Mais tarde, o veterano se lembraria de trazer seus sapatos de dança para as oitavas.

Camarões se classifica para a fase de mata-mata da Copa do Mundo

Apesar de seu impacto extraordinário vindo do banco contra a Romênia, Roger Milla foi novamente mantido na reserva por Valeri Nepomniachi nas oitavas de final contra a Colômbia, enquanto o capataz russo novamente apostou em energia em vez de experiência.

No entanto, com 54 minutos no relógio e o empate em 0 a 0, Nepomniachi convocou seu veterano titular, embora Milla não conseguiu fazer valer sua presença no tempo regular.

Roger Milla joga contra a Argentina durante a copa do mundo de 1990

Com o jogo indo para a loteria dos pênaltis, Milla encontrou espaço entre dois zagueiros colombianos e acertou um chute frente à saída de René Higuita para dar a vantagem a Camarões. Apenas 120 segundos depois de Milla estar dançando salsa pela primeira vez, o atacante roubou a bola de Higuita dentro do meio-campo colombiano e com o goleiro fora do gol, Milla rolou a bola em direção a uma rede vazia e voltou a dançar diante de seu adorado exército de seguidores.

Camarões levou um gol no final, mas segurou sua classificação para as quartas de final, onde a Inglaterra de Bobby Robson estava esperando no Stadio San Paolo, em Nápoles. No dia 1º de julho todos sabiam quem eram Camarões e Roger Milla, inclusive os Três Leões, que jogavam com o ar de um time que tremia frente a um maremoto africano e a um conjunto de jogadores camaroneses cheios de confiança.

O gol de David Platt acalmou alguns nervos da Inglaterra, mas Camarões reagiu, empatou e depois virou o placar com Eugène Ekéké aos 65 minutos. Eles quase fizeram o terceiro, mas perderam a chance. A Inglaterra eventualmente os fez pagar por seus erros, embora precisassem de dois pênaltis de Gary Lineker para vencer.

As corajosas conquistas de Camarões na Itália chegaram ao fim nas quartas de final, embora a marca que eles deixaram no torneio e no próprio futebol tenha sido eterna.

A volta para casa e o resultado

Os heróis de batalha de Camarões foram recebidos com boas-vindas eufóricas em seu retorno. O avião deles até teve que dar voltas antes de pousar na pista do aeroporto de Douala após uma onda de simpatizantes inundar a zona de pouso.

O desfile da vitória durou dois dias inteiros e o presidente Biya concedeu honras a todos os envolvidos, com jogadores, treinadores, funcionários e até jornalistas incluídos na celebração.

Para o dançarino Roger Milla, uma honra especial foi reservada e, aos 38 anos, o vencedor da Chuteira de Bronze da Copa do Mundo de 1990 fez parte do 11 melhores da Copa do Mundo da FIFA. Milla também foi eleito o Jogador Africano do Ano em 1990 e em 2007, a Confederação Africana de Futebol o declarou o melhor jogador do continente dos últimos 50 anos.