Guia da Copa: quem são os favoritos de cada grupo

Guia da Copa: quem são os favoritos de cada grupo

Updated: 17 days, 9 hours, 19 minutes, 43 seconds ago

Favorita em todas as competições que participa, a Seleção Brasileira chegou ao Catar no sábado (19) em busca do hexacampeonato

A Copa do Mundo do Catar começa nesse domingo (20), uma edição repleta de novidades. É a primeira vez que o torneio será realizado no mundo Árabe, primeira vez nessa época do ano, primeira vez que teremos um impedimento semiautomático, primeira vez com mais convocados e substituições… são muitas novidades.

O que não é novidade é que o Brasil chega como um dos favoritos a levantar a tão sonhada taça, a sexta. A Canarinho busca encerrar um jejum que dura 20 anos – a última conquista foi em 2002. E para isso, a jornada em busca do título começou ainda no dia 1º de abril, quando a FIFA sorteou os grupos e definiu o chaveamento.

Durante todo o ciclo – período de tempo entre uma Copa e outra -, a equipe de Tite passou por diversos estádios e centros de treinamento para acompanhar os atletas cotados, e a lista final foi entregue no dia 7 de novembro, com os 26 nomes que poderão vestir a amarelinha no Catar.

Que o futebol é uma caixinha de surpresas, todo mundo sabe. Mas de acordo com a convocação e os últimos jogos, é possível fazer previsões do que deve acontecer na primeira fase, a de grupos, e o JBr traz uma análise de quem são os favoritos.

Grupo A

Catar

O Catar é a equipe estreante na Copa do Mundo, tendo conquistado a vaga por ser o País-sede. O caminho para tentar fazer história será bem difícil. Durante o ciclo de preparação, a equipe chegou a jogar a Copa América de 2019 – que foi vencida pelo Brasil – como convidada.

Comandado pelo espanhol Félix Sánchez, que já trabalhou com as divisões de base do Barcelona, o Catar foi campeão da Copa da Ásia de 2019 e hoje ocupa a 50ª posição do ranking de seleções da FIFA.

Equador

Quarto colocado nas Eliminatórias Sul-Americanas, o Equador participa do Mundial pela quarta vez, tendo feito sua melhor campanha na Copa de 2006, quando chegou às oitavas de final.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O lateral Byron Castillo, responsável pela polêmica que quase deixou o país fora da Copa, não foi convocado. A equipe tem um nome conhecido pelos brasileiros: Arboleda, que joga pelo São Paulo, passou por uma cirurgia em junho, está se recuperando e foi chamado para representar o Equador no Catar.

Senegal

Apesar de pouca tradição em mundiais, o Senegal era uma das equipes que poderia ser a surpresa no Catar. Entretanto, perdeu seu principal jogador há poucos dias da estreia: Sadio Mané. O atacante do Bayern de Munique sofreu uma lesão e acabou cortado. Na defesa, a equipe conta com o goleiro que foi escolhido o melhor do mundo em 2021 pela FIFA, o Mendy, e o zagueiro Koulibaly, ambos do Chelsea.

Senegal vai para a sua terceira Copa do Mundo, e chega motivada após conquistar pela primeira vez a Copa Africana das Nações. Em Mundiais, a melhor campanha foi a primeira, em 2002, quando chegou nas quartas. Hoje a equipe ocupa a 18ª colocação no ranking da FIFA.

Holanda

A Laranja Mecânica ficou de fora da Copa de 2018 e voltam a disputar a competição buscando repetir a boa campanha feita em 2014, no Brasil, quando acabou em 3º lugar.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Para essa edição, a equipe vem renovada, e tem como principais nomes o zagueiro Van Dijk, do Liverpool, e o atacante Depay, do Barcelona. No comando técnico, Louis Van Gaal, que acumula passagens por grandes clubes europeus como Barcelona, Manchester United, Ajax e Bayern de Munique.

Favorita do grupo, a Holanda hoje é oitava colocada no ranking da FIFA e busca um título inédito. A equipe tem três vice-campeonatos, conquistados nos anos de 1974, 1978 e 2010.

Grupo B

Inglaterra

O país que inventou o futebol é o grande favorito do grupo B, e tem como destaque o atacante Harry Kane, que joga no Tottenham, e acumula 15 jogos, 12 gols e uma assistência na temporada 2022/23. Ele foi o artilheiro do Mundial de 2018, quando marcou seis gols. Na ocasião, a Inglaterra acabou eliminada na semifinal, derrotada pela Croácia.

Além de Kane, outros nomes como Foden, Sterling, Grealish, Saka, Rashford, Mount, Kalvin Phillips e James Maddison também foram convocados em busca do segundo título para o país. A Inglaterra não perdeu nas Eliminatórias da Europa, e foi vice-campeã da Eurocopa, vencida pela Itália, que não se classificou para o Mundial.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE Irã

Indo para sua sexta copa – a terceira consecutiva -, o Irã nunca passou da primeira fase, e espera mudar a história no Catar. A equipe ocupa hoje a 20ª colocação no no ranking da FIFA.

Para trazer emoção e, quem sabe, surpreender os adversários, antes da última Data FIFA o Irã optou por demitir o técnico Dragan Skocic e recontratar Carlos Queiroz, o que agitou os bastidores da seleção.

Estados Unidos

A seleção norte-americana está indo pora o seu 10º Mundial, mas sua melhor campanha foi mesmo na primeira partipação, ainda em 1930, quando chegou a terceira colocação.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Os Estados Unidos, que se preparam para receber a Copa do Mundo de 2026, têm uma das menores médias de idade entre as seleções que estarão no Catar: 24,7 anos. Os destaques ficam por conta do atacante Christian Pulisic, do Chelsea, e os meias Weston McKennie, da Juventus, e Brenden Aaronson, do Leeds.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE País de Gales

O País de Gales estpa indo para sua segunda Copa do Mundo. A primeira foi em 1958, na Suécia, quando chegou nas quartas, eliminados pelo Brasil de Pelé. Bale, que defendeu o Real Madrid por muitos anos e hoje joga no futebol norte-americano, é o destaque da equipe que ocupa a 19ª posição no ranking da FIFA.

Para ir ao Catar, os galeses conquistaram uma vitória simples contra a Ucrânia na repescagem, conquistando a última vaga do continente.

Grupo C

Argentina

Favoritaço do grupo, a Argentina campeã da Copa América 2021 e vice nas Eliminatórias Sul-Americanas chega como uma das fortes candidatas ao título do Mundial, que seria o terceiro de sua história.

Atual 3º colocado no ranking da FIFA, a equipe tem como craque Lionel Messi, sete vezes campeão da Bola de Ouro da revista France Football, hoje no PSG. Além dele, Lautaro Martínez, Ángel Di Maria e De Paul também ajudarão o time comandado por Lionel Scaloni em busca da taça.

Arábia Saudita

Comandados por Hervé Renard, técnico francês que se destacou comandando Marrocos no Mundial da Rússia em 2018, a Arábia Saudita busca, pelo menos, repetir a melhor campanha da equipe em uma edição: oitavas de final, em 1994.

Este será o sexto mundial da equipe, que vive incertezas com seu principal jogador, o atacante Saleh Al-Shehri, que há pouco se recuperou de uma grave lesão. Hoje a Arábia Saudita ocupa a 51ª colocação do ranking da FIFA.

México

Segunda melhor equipe das Eliminatórias da América do Norte e Central empatado com o líder Canadá, o México, 13º no ranking da FIFA, é uma seleção tradicional no Mundial. Mesmo assim, sua melhor campanha foi em 1970 e 1986, alcançou as quartas de final.

No Catar a equipe será comandada pelo argentino Gerardo Martino, que já esteve à frente das seleções do Paraguai e Argentina. Ochoa é sempre destaque do México e vai para sua quinta Copa do Mundo. O atacante Raúl Jiménez, do Wolverhampton, tenta se recuperar de problemas físicos para atuar no Catar,

Polônia

Em sua 9ª Copa do Mundo, a Polônia depende de um grande campeonato do atacante Robert Lewandowski, maior artilheiro da história da seleção e considerado o melhor jogador do mundo em 2021, para sonhar em passar de fase no grupo C.

Na história, a equipe tem como melhores campanhas dois 3º lugares, conquistados em 1974 e 1982. A seleção polonesa ocupa hoje a 26ª colocação no ranking da FIFA.

Grupo D

França

Defendendo o título após levantar a taça no Mundial da Rússia, a França vive momentos de tensão. Nos seis jogos da Liga das Nações, torneio europeu, a equipe colecionou três derrotas, dois empates e apenas uma vitória. Além disso, está sofrendo com desfalques: Paul Pogba e N’Golo Kanté já estavam confirmados, e o mais novo deles é exatamente o atual melhor jogador do mundo, Benzema, que sentiu lesão no quadríceps da coxa esquerda e está fora da Copa.

 Foto: Franck Fife/AFP

Apesar dos desfalques importantes, a França tenta acabar com a maldição que já dura três mundiais, a de que o atual campeão é eliminado na primeira fase da Copa do Mundo seguinte. Isso aconteceu com a Itália, que venceu em 2006 e foi eliminada previamente em 2010, em 2014 foi a Espanha, e em 2018 a vítima foi a Alemanha.

Dinamarca

Atual 10ª colocada no ranking da FIFA, a Dinamarca espera encantar o público como fez em 1986, quando ficou conhecida como Dinamáquina ao vencer, na primeira fase, a Alemanha Ocidental, a Escócia e o Uruguai. Mas naquela ocasião, acabou eliminada nas oitavas pela Espanha.

A Dinamarca fez sua melhor campanha em 1998, ao chegar às quartas e ser eliminada pelo Brasil. Eriksen, o jogador que sofreu uma parada cardíaca durante jogo contra a Finlândia na última Eurocopa, é o destaque da equipe no Catar.

Tunísia

Buscando passar da primeira fase pela primeira vez em sua história de seis mundiais, a equipe da Tunísia tem como maior virtude um sistema defensivo forte.

O técnico Jalel Kadri prioriza, na equipe que ocupa a 30ª posição do ranking de seleções da FIFA, jogadores que atuam no Oriente Médio. Mas a referência técnica é o meia-atacante Wahbi Khazri, que defende o Montpellier. No atual ciclo, A equipe chegou caiu na semifinal da Copa Africana das Nações de 2019.

Austrália

Representante da Oceania na Copa, a Austrália quer surpreender após quatro mundiais seguidos caindo na fase de grupos. A equipe conquistou a vaga após derrotas o Peru na repescagem das Eliminatórias, e ocupa a 38ª colocaçaõ no ranking da FIFA.

A melhor campanha da equipe foi em 2006, quando alcançou as oitavas de final, mas acabou eliminada pela Itália, que se sagrou campeã.

Grupo E

Espanha

Daquela equipe campeã do Mundial de 2010, sobrou apenas o volante Sergio Busquets, que sonha em recolocar a Espanha no topo do mundo. Para isso, a Fúria terá muitos nomes novos que estão se destacando no futebol europeu, como os do zagueiro Eric Garcia, dos atacantes Ansu Fati e Ferran Torres, e dos meias Gavi e Pedri, que foi escolhido o melhor jogador jovem da Eurocopa 2021.

Os novos jogadores aparecem como surpresas em uma equipe que está se reinventando e busca surpreender no Catar em busca do 2º titulo.

Alemanha

Tetracampeã, a Alemanha viveu o pesadelo no Mundial de 2018, quando acabou eliminada ainda na primeira fase. Na Eurocopa de 2021, novo fracasso, sendo eliminada nas oitavas. Isso causou uma troca na comissão técnica alemã, com a saída de Joachim Löw e a chegada de Hans Flick.

O novo comandante adotou na seleção alguns princípios de jogo que fizeram do Bayern de Munique um dos grandes times do mundo entre 2019 e 2021. Os alemães surgem dividem o favorotismo do grupo com a Espanha, e o detalhe vai decidir quem será o 1º colocado.

Os destaques da equipe são o goleiro Neuer e o atacante Thomas Müller, que disputam a Copa pela quarta vez, além dos jovens meias Kai Havertz e Jamal Musiala.

Japão

A equipe asiática terá pela frente a chave mais difícil que já pegou em mundiais. Mesmo com o técnico Hajime Moriyasu, o melhor em aproveitamento que já comandou a seleção, o Japão sabe que não terá vida fácil, e torce por tropeços dos favoritos para, quem sabe, sonhar em passar de fase.

O zagueiro Maya Yoshida e o lateral Yuto Nagatomo, segundo jogador que mais vezes defendeu a seleção nipônica, são os destaques da equipe, assim como Takefusa Kubo, de apenas 21 anos, apelidado de Messi japonês.

Costa Rica

Disputando a Copa do Mundo pela terceira vez seguida, a Costa Rica, hoje 31ª colocada no ranking da FIFA, conta com figurinhas repetidas para, quem sabe, surpreender seus adversários, como o goleiro Keylor Navas e os meias Bryan Ruiz e Celso Borges. Além deles, Joe Campbell, autor do gol que garantiu a seleção no Catar, é a esperança para balançar as redes.

Grupo F

Bélgica

Favorita no grupo, a Bélgica que eliminou o Brasil na semifinal de 2018 é a vice-líder do ranking da FIFA após um terceiro lugar no mundial passado.

A seleção chega com um plantel equilibrado e tendo o meia Kevin de Bruyne, do Manchester City, como principal destaque. Na defesa, a Bélgica conta com o goleiro Courtois, um dos grandes responsáveis pelo título do Real Madrid na Liga dos Campeões.

Canadá

Anfitrião da próxima Copa do Mundo junto com Estados Unidos e México, o Canadá está voltando a disputar o Mundial após 36 anos. E a renovação está dando certo, já que foi a líder das eliminatórias da Concacaf.

Apenas 41º no ranking da FIFA, a seleção canadense conta com jogadores de destaque no ataque, como Jonathan David, atacante do Lille que foi o artilheiro da Copa Ouro do ano passado, e Alphonso Davies, que atua como lateral-esquerdo no Bayern de Munique e como ponta no Canadá.

Marrocos

A seleção de Marrocos está indo para sua segunda Copa seguida, e terminou as eliminatórias africanas com 100% de aproveitamento. Mesmo assim, faltando apenas três meses para o Mundial do Catar, a federação local demitiu o técnico Vahid Halilhodzic, após quase três anos de trabalho. O bósnio, que estava em conflito com o astro local, o meia-atacante Hakim Ziyech, do Chelsea, deu lugar a Walid Regragui.

Outro destaque marroquino é o lateral-direito Achraf Hakimi, do Paris Saint-Germain. O país africano é o 22º colocado no ranking da Fifa.

Croácia

Assim como em 2018, quando foi vice-campeã da Copa do Mundo, a Croácia não chega como uma das favoritas, mas busca surpreender e chegar entre os quatro primeiros pela terceira vez em seis participações na competição.

Luka Modrić, do Real Madrid, segue sendo o destaque da seleção, mas ele não terá seus velhos companheiros ao lado dessa vez. Atual 12ª colocada no ranking da FIFA, a Croácia conta ainda com nomes como Marcelo Brozović, da Inter de Milão, e Mateo Kovačić, do Chelsea.

Grupo G

Brasil

Favorito em todas as competições que participa, o Brasil chegou ao Catar apenas na noite de sábado (19), sendo a última seleção a se apresentar no local da Copa. A Canarinho busca o hexacampeonato, e na fase de grupos terá velhas conhecidas de outros Mundiais.

Tite já anunciou que deixará a Seleção após a Copa, e quer fechar o ciclo com chave de ouro. Para isso, terá Neymar, que há vários anos é o nome principal da equipe. Entretanto, dessa vez, a responsabilidade não está toda em suas costas, já que outros grandes nomes apareceram como fundamentais.

Líder do ranking da FIFA, o Brasil levou nove atacantes para o Catar, e a esperança de gols vem, além de Neymar, dos pés também de Richarlison e de Vini Jr. Nas eliminatórias, a Seleção terminou em 1º de forma invicta.

Foto: Reprodução/Instagram Sérvia

A estreia da Sérvia como país independente – antiga Iuguslávia -, a Sérvia é a atual 21ª colcoada no ranking da FIFA e busca, pela primeira vez, passar da primeira fase.

Para isso, conta com um ataque de peso, com nomes como Dušan Vlahović, da Juventus, Dušan Tadić, do Ajax, e Aleksandar Mitrović, do Fulham.

Suiça

Equipe que ‘roubou’ a vaga da tetracampeã Itália, a Suiça, 15ª colocada no ranking da FIFA, quer, ao menos, repetir as campanhas de 1934, 1938 e 1954, quando chegou às quartas de final.

Na última eurocupa, eliminou a França após estarem perdendo por 3×1 e buscarem o empate, passando nos pênaltis. Os meias Xherdan Shaqiri e Granit Xhaka, com mais de 100 jogos pela seleção, são os líderes do elenco.

Camarões

A classificação de Camarões para a Copa do Catar aconteceu apenas nos acréscimos do segundo tempo da prorrogação no último jogo das eliminatórias, contra a Argélia, fora de casa.

A equipe africana não chega a um mata-mata da Copa do Mundo desde 1990, quando chegou às quartas de final. Desde então, apenas uma vitória em 15 jogos. Para mudar isso, a seleção conta com o goleiro André Onana, da Inter de Milão, e o atacante Eric Choupo-Moting, do Bayern de Munique.

Grupo H

Portugal

Em sua oitava participação em Mundiais, Portugal chega com o sonho do título inédito e como favorita a passar de fase. A melhor campanha na história da competição aconteceu em 1966, quando a lenda Eusébio levou a equipe a terceira colocação. Em 2006, a equipe voltou a disputar uma semifinal, mas foi derrotada e terminou em quarto.

Na quinta e última Copa da carreira, Cristiano Ronaldo chega em má fase. Eleito cinco vezes o melhor do mundo, o craque português está em um momento de crise com seu clube, o Manchester United.

Gana

Depois de não jogar na Rússia, Gana quer superar o melhor desempenho de sua história nos Mundiais, quando caiu para o Uruguai nas quartas de final de 2010, na África do Sul.

O técnico Otto Addo conta, principalmente, com Thomas Partey, meio-campista do Arsenal, de 29 anos, um dos mais valiosos da equipe: 40 milhões de euros (R$ 204,8 milhões). Também integra a seleção o atacante André Ayew, que estará em casa, já que defende o Al-Sadd, do próprio Catar.

Uruguai

Nas eliminatórias, a Celeste ficou em terceiro, atrás apenas de Brasil e Argentina, e quer voltar a surpreender no cenário mundial. Junto com Portugal, é a equipe mais cotada a passar de fase, apesar dos duelos serem equilibrados.

Na Rússia, Uruguai parou nas quartas de final, eliminada pela campeã França. Luis Suárez, que voltou a jogar em um time de seu país, é a esperança de gols em busca de um título após 72 anos.

Coreia do Sul

A Coreia do Sul vai para sua 11ª Copa, e o melhor resultado foi conquistado em 2002, quando foi sede ao lado do Japão, e chegou a quarta colocação.

Comandada pelo português Paulo Bento, a equipe tem como destaques jogadores que atuam no futebol inglês: o ponta-esquerda Son Heung-Min, de 30 anos e que defende o Tottenham, e o meio-campista Hwang Hee-Chan, de 26 anos e que atua pelo Wolverhampton.