Caso Neymar tem oitiva de dirigentes agendada

Caso Neymar tem oitiva de dirigentes agendada

Updated: 1 month, 16 days, 20 hours, 40 minutes, 20 seconds ago

O julgamento de Neymar por suposta fraude e corrupção na transferência do Santos para o Barcelona, em 2013, será marcado pelo depoimento dos representantes do clube espanhol na próxima semana, em sessão única, na sexta-feira, dia 28.

Agência Brasil

O julgamento de Neymar por suposta fraude e corrupção na transferência do Santos para o Barcelona, em 2013, será marcado pelo depoimento dos representantes do clube espanhol na próxima semana, em sessão única, na sexta-feira, dia 28. A primeira semana de audiências foi encerrada na quinta-feira e contou com os depoimentos de boa parte dos réus, sendo eles o próprio jogador da seleção brasileira, atualmente no Paris Saint-Germain. Também estiveram presentes os pais do atleta, os administradores da empresa familiar N&N Consultoria Esportiva e o ex-presidente do Santos Odílio Rodrigues. Neymar pode voltar a depor. Os únicos acusados que ainda não prestaram depoimento são os ex-presidentes do Barcelona Sandro Rosell e Josep Maria Bartomeu, que farão isso juntamente com Sergi Atienza, representante legal do clube catalão, também acusado no caso como pessoa jurídica. José Domingo Barral, ex-presidente do Grupo Sonda, também irá prestar esclarecimentos. A empresa do ramo de supermercados de Delcir Sonda detinha, por meio do DIS, 40% dos direitos de Neymar. A venda foi anunciada por 17,1 milhões de euros (R$ 88,7 milhões, pelo câmbio atual) e a empresa recebeu uma fatia de 6,84 milhões de euros, mas alega que deveria ter recebido 34,5 milhões de euros. Ao fim, o Barcelona informou que o valor real da transação foi de 57 milhões de euros e a diferença de 40 milhões de euros foi depositada para a empresa N&N.

O julgamento de Neymar por suposta fraude e corrupção na transferência do Santos para o Barcelona, em 2013, será marcado pelo depoimento dos representantes do clube espanhol na próxima semana, em sessão única, na sexta-feira, dia 28. A primeira semana de audiências foi encerrada na quinta-feira e contou com os depoimentos de boa parte dos réus, sendo eles o próprio jogador da seleção brasileira, atualmente no Paris Saint-Germain. Também estiveram presentes os pais do atleta, os administradores da empresa familiar N&N Consultoria Esportiva e o ex-presidente do Santos Odílio Rodrigues. Neymar pode voltar a depor. Os únicos acusados que ainda não prestaram depoimento são os ex-presidentes do Barcelona Sandro Rosell e Josep Maria Bartomeu, que farão isso juntamente com Sergi Atienza, representante legal do clube catalão, também acusado no caso como pessoa jurídica. José Domingo Barral, ex-presidente do Grupo Sonda, também irá prestar esclarecimentos. A empresa do ramo de supermercados de Delcir Sonda detinha, por meio do DIS, 40% dos direitos de Neymar. A venda foi anunciada por 17,1 milhões de euros (R$ 88,7 milhões, pelo câmbio atual) e a empresa recebeu uma fatia de 6,84 milhões de euros, mas alega que deveria ter recebido 34,5 milhões de euros. Ao fim, o Barcelona informou que o valor real da transação foi de 57 milhões de euros e a diferença de 40 milhões de euros foi depositada para a empresa N&N.

A primeira semana de audiências foi encerrada na quinta-feira e contou com os depoimentos de boa parte dos réus, sendo eles o próprio jogador da seleção brasileira, atualmente no Paris Saint-Germain. Também estiveram presentes os pais do atleta, os administradores da empresa familiar N&N Consultoria Esportiva e o ex-presidente do Santos Odílio Rodrigues. Neymar pode voltar a depor.

Os únicos acusados que ainda não prestaram depoimento são os ex-presidentes do Barcelona Sandro Rosell e Josep Maria Bartomeu, que farão isso juntamente com Sergi Atienza, representante legal do clube catalão, também acusado no caso como pessoa jurídica. José Domingo Barral, ex-presidente do Grupo Sonda, também irá prestar esclarecimentos. A empresa do ramo de supermercados de Delcir Sonda detinha, por meio do DIS, 40% dos direitos de Neymar. A venda foi anunciada por 17,1 milhões de euros (R$ 88,7 milhões, pelo câmbio atual) e a empresa recebeu uma fatia de 6,84 milhões de euros, mas alega que deveria ter recebido 34,5 milhões de euros.

Ao fim, o Barcelona informou que o valor real da transação foi de 57 milhões de euros e a diferença de 40 milhões de euros foi depositada para a empresa N&N.