Carta reservada de Oficiais Superiores da Ativa do Exército pede restabelecimento da legalidade no Brasil

Carta reservada de Oficiais Superiores da Ativa do Exército pede restabelecimento da legalidade no Brasil

Updated: 2 months, 10 days, 16 hours, 23 minutes, 1 second ago
Colunistas

Carta reservada de Oficiais Superiores da Ativa do Exército pede restabelecimento da legalidade no Brasil

Por Flavio Pereira | 30 de novembro de 2022

Compartilhe esta notícia:

Documento inédito foi entregue ao comandante do Exército, general Marco Antônio Freire Gomes. (Foto: Reprodução vídeo)

A Carta dos Oficias Superiores do Exército Brasileiro, entregue segunda-feira (28) à noite ao Comandante do Exército, General de Exército Marco Antônio Freire Gomes, por oficiais superiores – da ativa – da força terrestre, foi revelada primeiramente em grupos militares, e ontem trazida a público pelo jornalista Paulo Figueiredo, neto do ex-presidente da República, general João Baptista Figueiredo, e não se trata de um documento público. No documento privado, inédito, os oficiais citam que estão sob amparo do Inciso 4º do Artigo 5º da Constituição, para mostrarem sua preocupação e alertarem ao superior hierárquico sobre o momento de crise institucional vivido pelo País.

Carta dos oficias superiores do Exercito Brasileiro

Os oficiais citam a frase “A farda não abafa o cidadão no peito do soldado”, de autoria do Marechal gaúcho Manoel Luis Osório, patrono da Arma da Cavalaria. Alguns tópicos do documento:

-“Ratificamos o alinhamento dos participantes com a legalidade, liberdade e transparência, atualmente tão requeridas pelo povo brasileiro. Não existe instituição ou poder constituído que possam se colocar acima da lei e da ordem democrática. Os três poderes precisam ser harmônicos e independentes, conforme prevê a Constituição, tendo em seu sistema de freios e contrapesos o necessário limite para que assim se mantenham. Consideramos importante, portanto, que os Poderes e Instituições da União assumam os seus papéis constitucionais previstos em lei e em prol da pacificação política, econômica e social, especialmente para a manutenção da Garantia da Lei e da Ordem e da preservação dos poderes constitucionais, respeitando o pacto federativo previsto na regra basilar de fundação da República Federativa do Brasil.

– Não existe instituição ou poder constituído que possam se colocar acima da lei e da ordem.

– Destacamos que os integrantes da força terrestre sempre estarão prontos para cumprirem suas funções constitucionais.

– Estamos atentos a tudo o que está acontecendo e que vem provocando insegurança jurídica e instabilidade politica e social no País.

– Ademais, preocupa-nos a falta de imparcialidade na narrativa dos fatos e na divulgação de dados por parte de diversos veículos de comunicação.

– Covardia, injustiça e fraqueza são os atributos mais abominados para um soldado. Nossa Nação, aquela que entrega os maiores índices de confiança às Forças Armadas, sabe que seus militares não a abandonarão”.

Comando do Exército emitiu nota oficial

Ontem, o Comando do Exército afirmou, em nota, que “os militares da ativa, por definição legal e por compromisso com a Nação Brasileira, são apartidários em suas condutas”. A nota da corporação não tratou da Carta dos oficiais da ativa, mas desmentiu declarações feitas pelo comentarista Paulo Figueiredo Filho, neto do ex-presidente da Republica, general João Baptista Figueiredo (1918-1999) que citou nomes de oficiais generais que estariam contra as manifestações públicas em frente a quartéis, em protesto pela suposta falta de transparência do processo eleitoral brasileiro. Diz a nota oficial que “os comentários apresentados nas matérias não se fundamentam em informações oriundas do Comando do Exército, única esfera a qual cabe transmitir a palavra oficial da Força Terrestre. Por fim, o Exército Brasileiro segue honrando o seu compromisso inabalável de garantir a Lei, a Ordem e a Paz Social, conforme os preceitos constitucionais, sempre pautado pelas mesmas tradições e valores, que permeiam de forma perene toda a sua História. O respeito incondicional à Hierarquia, à Disciplina e à Cadeia de Comando é o farol que sempre orientou os rumos de nossa Instituição em todos os momentos de sua existência.”

Alexandre de Moraes atende pedido de Lula e antecipa diplomação

Há um inegável clima de apreensão em Brasília. Ontem, atendendo a pedido de Lula, que deseja apressar a data da sua diplomação como presidente eleito, o presidente do Tribunal Superior Eleitoral, Alexandre de Moraes, mudou a data inicialmente prevista para 19 de dezembro. O presidente do TSE antecipou em uma semana o ato e marcou a solenidade para o dia 12 de dezembro, às 14h, na sede do tribunal, em Brasília.

O que significa a diplomação, segundo o TSE

O site oficial do TSE esclarece o significado legal do ato de diplomação:

“Diplomação é o ato pelo qual a Justiça Eleitoral atesta que o candidato ou a candidata foi efetivamente eleito ou eleita pelo povo e, por isso, está apto ou apta a tomar posse no cargo. Nessa ocasião, ocorre a entrega dos diplomas, que são assinados, conforme o caso, pelo presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), do Tribunal Regional Eleitoral (TRE) ou da junta eleitoral. A entrega dos diplomas ocorre depois de terminado o pleito, apurados os votos e passados os prazos de questionamento e de processamento do resultado das eleições. No caso de eleições presidenciais, é o TSE que faz a diplomação.”

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Colunistas